quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Questionamentos simples e impertinentes, sobre a Lua e a suposta viagem e o suposto pouso da primeira nave tripulada em uma viagem lunar.

Questionamentos simples e impertinentes, sobre a Lua e a suposta viagem e o suposto pouso da primeira nave tripulada em uma viagem lunar.

Autor: Roberto das neves





A casa da nasa, caiu:


Quando vemos as fotos e assistimos o filme sobre a viagem, o pouso, o trabalho e o “retorno dos astronautas da lua para a Terra”, aliás, um filme de péssima qualidade, estranho, porque já tínhamos na época, equipamentos para filmagem em filme e em vídeo com fitas magnéticas muito mais evoluídos e em cores, do que aquelas imagens capengas em p/b, me pergunto:

Que equipamento foi usado para filmar o pouso no mar da tranquilidade? Essa filmagem era em filme ou em vídeo?

A nave que transportou o módulo, tinha capacidade e equipamentos para enviar vídeos em tempo real para a Terra?

Você viu esses equipamentos de transmissão de vídeo e as câmeras, serem mostradas pela Nasa em filmes e fotos, quando eles estavam demonstrando os equipamentos de filmagem e fotografia que seriam usados pela missão?

Se foram somente em filme, a nave tinha um laboratório para revelar esses filmes e equipamentos avançados para transmitir essas imagens em tempo real?

Quem filmou Armstrong enquanto ele descia a escada do módulo lunar, sendo que, ele supostamente seria o primeiro astronauta a pisar na lua e emitido a célebre fala, sendo seguido na escada pelo outro astronauta?
O terceiro astronauta ficou em “orbita da lua”, não desceu.

Onde estavam encaixados os pesados equipamentos e o veículo lunar, usados para locomoção na superfície da lua? Uma vez que, o módulo lunar era pequeno, só cabiam dois astronautas e poucos equipamentos, não poderia os transportar para a lua juntamente com os dois astronautas.

Você os viu no módulo, juntamente com os astronautas, enquanto ele se preparava para pousar?

Você viu imagens dos equipamentos sendo retirados do módulo e sendo montados pelos astronautas?

Como é que o veículo que funciona através de explosão de gasolina, poderia funcionar em um ambiente com ausência total de oxigênio?

Quem filmou o lançamento do módulo até ele sair da lua? Sendo que, filmagens, imagens em vídeo ao vivo e em cores ou p/b e sons, não poderiam ser captadas, transmitidas e enviadas pelo espaço em tempo real da lua, pois para isso, na lua seria obrigatório que houvesse nela equipamentos e uma torre de transmissão completa instalada para transmitir essas imagens.

Da lua, somente poderíamos receber sinais de rádio na época da missão e somente por satélites que porventura estivessem orbitando a lua, nós tínhamos tecnologia para isso, mas, os sinais recebidos pela suposta missão da nave para a viagem, eram apenas de um satélite em órbita na Terra, e não em órbita da lua, e tínhamos e temos, somente tecnologia para enviar astronautas para órbitas terrestres e não para órbitas e pouso na lua de naves tripuladas.

Pesquisem sobre o cinturão de Van Halen e sua radiação mortal que circunda o nosso planeta e os problemas de astronautas e equipamentos que tentarem ultrapassa-lo.
   
Quem instalou, filmou em vídeo e enviou as imagens dos dois astronautas e seu trabalho na superfície da lua?

A questão é ainda mais importante, porque na época, ainda não existiam filmadoras de vídeo analógicas portáteis.

As câmeras na época, para enviar imagens para o mundo, eram extremamente grandes e pesadas, precisavam de um estúdio móvel próximo a elas, conectadas por cabos para enviar as imagens e sons para as torres de transmissão.

As câmeras de filmagem usadas na missão pelos astronautas precisavam usar filmes que seriam revelados em laboratório, para depois serem exibidos, não eram câmeras de transmissão de imagens em vídeo, eram apenas câmeras de filmagem de filmes e não de fitas magnéticas.

No entanto, vemos o trabalho dos astronautas em tempo real e o lançamento do módulo lunar enquanto os astronautas estariam viajando para retornar à Terra.

Por acaso eles montaram um estúdio e uma torre de transmissão de dados e vídeos na lua para enviar as imagens para a Terra? Cadê eles, se não aparece em nenhuma foto ou filmagem, cadê os equipamentos de transmissão e os cabos, cadê a torre, cadê o operador da câmera e o operador dos equipamentos?

Esses operadores ficaram na lua? Foram resgatados pelo módulo lunar? Como? Se no módulo só cabiam dois tripulantes e só tinha combustível para um pouso e uma decolagem?

O equipamento de vídeo operava por controle remoto?

Como? Se na época, não tínhamos desenvolvido tais equipamentos de uma forma confiável e precisa?

Quem operou tais equipamentos de controle remoto?
 
Nas fotos dos equipamentos que seriam usados na missão, fotos essas feitas pela NASA, somente vemos equipamentos de filmagem em filme e câmeras fotográficas analógicas, não vemos equipamentos de controle remoto e câmeras de transmissão de imagens em vídeo e câmeras fotográficas digitais, afinal, câmeras de vídeo portáteis e câmeras de fotos digitais, ainda não tinham sido inventadas, elas só apareceram no fim dos anos 80.

Os dois astronautas ficaram 21 horas e 36 minutos em “solo lunar”, mas, ficaram seis horas dentro do módulo até que Armstrong descesse a escada para pisar na lua, sendo seguido pelo outro astronauta, para depois, começar o trabalho de montagem dos equipamentos.

Quem filmou e enviou essa descida pela escada dos dois únicos tripulantes a bordo?

Você viu câmeras de vídeo instaladas no módulo, ou no exterior do módulo, nas pernas de pouso?

Depois, os astronautas tiveram pouco tempo, cerca de 15 horas, para montar aparelhos de medição, montar o veículo lunar, percorrer cerca de 250 metros, recolher 21 quilos de amostras do solo, passear no veículo lunar, tirar fotos, filmar, fincar uma bandeira e deixar uma placa. Algumas dessas imagens em filme, foram enviadas supostamente da lua, imagens em filme, não imagens em vídeo.

Quem filmou os dois astronautas fazendo isso e os mesmos dois astronautas fincando a bandeira ao mesmo tempo, juntos?

E as imagens em filme e não em vídeo, foram transmitidas e recebidas em tempo real aqui na Terra, inclusive, o disparo do módulo para ir até a nave que estaria em órbita, que os traria de volta, quem filmou e enviou as imagens do disparo? 

Montaram na lua um laboratório de revelação de filmes e um laboratório para envio do filme revelado?, quem operou esse laboratório? Me engana que eu gosto.

Enquanto isso, as equipes em terra recebiam apenas sinais de rádio emitidos por um satélite em órbita da terra que simulava falsos sinais da nave e não sinais da suposta nave tripulada viajando da lua para a Terra.

A nave com os três tripulantes, ficou apenas em órbita da Terra, desde o início ao fim da missão, ela jamais foi para a lua, nem poderia.

Sobre os supostos espelhos que teriam sido colocados na lua pelos astronautas na primeira viagem, para captar os lasers emitidos da Terra para a lua, na época, não tínhamos tecnologia para criar tais espelhos, e não tínhamos na época, emissores de laser potentes e precisos suficientemente, para atingir esses espelhos, tais equipamentos surgiram apenas no final da década de 90, tais tecnologias só foram alcançadas muitas décadas depois da suposta ida a lua.

Então, quem colocou lá os espelhos? Os espelhos foram colocados pelas sondas não tripuladas que foram enviadas para a lua, muitas décadas após o suposto pouso tripulado, quando tiveram finalmente, desenvolvido a necessária tecnologia para isso?

Não, tais espelhos não foram enviados, sondas não existem, satélites não existem.

O suposto teste de envio de raio laser disparado para os supostos espelhos, não precisam retornar para a Terra através dos espelhos, se você apontar um laser potente  para a Lua, o laser retornará, pois, a lua, refletira-a o laser para a Terra, praticamente no mesmo instante, não demorará os supostos 2 ou 3 segundos de ida ou retorno, e não precisará dos espelhos para isso.  

Infelizmente, mas depois, felizmente, eu me recordei que no final da década de 1.970, eu e um dos meus primos, estávamos visitando nossos avós e estávamos conversando sobre o pouso na lua, estávamos fazendo isso no quintal da casa à noite, enquanto olhávamos para a lua, discutíamos apaixonadamente sobre as conquistas humanas da ciência, meu pai e meu tio que estavam em outra conversa mais afastada e separada, pararam o que conversavam e meu pai emitiu a seguinte opinião sobre o assunto:

“O homem jamais foi para a lua, daqui a muitos anos, vocês vão perceber a verdade”.

Eu e meu primo demos um leve sorriso disfarçadamente, ante a incredulidade de meu pai e mudamos rapidamente de assunto.

Meu pai faleceu no final da década de 1.990, e nunca mudou de opinião.

Hoje, eu, com mais de 57 anos, percebo finalmente e tardiamente, que ele estava com a completa razão e a verdade.

Me desculpe meu pai, por ter sorrido de sua opinião, achando que eu era soberbamente superior em conhecimento científico e tecnológico. Você estava certo e eu completamente errado. Eu fui um idiota que se achava um sábio, e no final das contas, você meu pai, era o verdadeiro sábio.




Armstrong, ao descer a escada e falar e frase: "Um pequeno passo para o homem, um grande passo para a humanidade” precisou repetir a cena e a fala, veja o porquê:






Leiam também este outro artigo:

Audaciosamente indo, onde nenhum homem jamais esteve, só que, não...:
http://gilghamesh.blogspot.com.br/2014/08/audaciosamente-indo-onde-nenhum-homem.html

Agora, uma questão final:

Possuímos poderosos telescópios que nos trazem imagens incríveis de planetas que nos circundam. Pode-se acoplar neles, maquinas fotográficas ou capturar imagens pelo computador a ele conectado, a lua está muito próxima de nós, cerca de 384.400 km, podemos ver imagens muito detalhadas da lua, escolhendo áreas específicas de um todo, bastando para isso, calibrar o telescópio para a área que você quer estudar. Logicamente, não se tratam de simples telescópios que você pode comprar em uma loja, são telescópios usados por astrônomos em observatórios astronômicos.

Você já viu alguma foto do mar da tranquilidade na Lua, com os equipamentos lá deixados pelos astronautas da primeira viagem?

Não, não é? Porque, tais fotos não existem.  


E para finalizar, assistam esses 3 filmes:


  



m presentinho para os cientistas e professores da bola molhada: 
"Ridi, Ridi Pagliaccio, mangiare la scienza e morire"

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Links para todos os artigos já publicados neste Blog!

Links para todos os artigos já publicados neste Blog!


Divirtam-se, comentem, critiquem, partilhem...:

FILOSOFIA DA CIÊNCIA E EPISTEMOLOGIA:

Meu Livro em sua segunda versão: Os Padrões Repetitivos da Natureza:

O Plasma de elétrons de Francis Hauksbee:

Óptica – O estudo da Luz:

Ah, o experimento mental do gato de Schrödinger...:


O acaso ou o nada, são uma causa ainda não especificada!:

O que é ciência, o que é má ciência, o que não é ciência, o que é pseudociência, e os problemas de demarcação e delimitação, para definir umas das outras. Uma visão esclarecedora através da filosofia da ciência!

A respeito de revoluções: teoria da relatividade e a história da ciência.

Audaciosamente indo, onde nenhum homem jamais esteve, só que, não...:
http://gilghamesh.blogspot.com.br/2014/08/audaciosamente-indo-onde-nenhum-homem.html

Questionamentos simples e impertinentes, sobre a Lua e a suposta viagem e o suposto pouso da primeira nave tripulada em uma viagem lunar:


Afinal, qual é a forma do Universo?:


A massa não curva a trajetória da luz, consequentemente, não gera a força gravitacional, não deforma o suposto tecido espaço/tempo. A repetição e análise de um experimento em laboratório podem comprovar estas afirmações.

A medição do tempo (por Henri Poincaré – 1898). :

Leis dos Conjuntos Comparativos Similares. :

O Tempo é Simultâneo, não sofre distorções e é um conceito para medirmos ocorrências. :

O que é a eletricidade e o que é a luz, afinal? :

Alguns dados “irrelevantes”, sobre o Sol e sua comparação com a Terra. :

O vácuo não existe e a luz pode ter velocidade variável...:

O paradoxo do "som". :

Dilatação do tempo, o grande engano de Einstein. :

Contração do Comprimento e do espaço, o segundo grande engano de Einstein. :

A consciência, a nanotecnologia e o fator da irredutibilidade. :

O copo vazio. :

As forças fantasmagóricas que atuam à distância.:

As Forças Fantasmagóricas que atuam à distância – Parte 2. :

Teorias filosóficas, formulações matemáticas e análises antagônicas sobre um enunciado. :

Teoria Padrão, os acobertamentos de um fracasso matemático. : http://gilghamesh.blogspot.com.br/2013/01/teoria-padrao-os-acobertamentos-de-um.html

Nos limites da ciência. :

Bem-vindo a matemágicalandia. :

O experimento da dupla fenda e o nascimento da religião quântica. :

Teoria do Big Bang, uma teoria muito mais filosófica do que científica. :

A fé e a crença, transformando hipóteses em teorias científicas. :

Segundo a Teoria da Física Quântica: “A informação nunca se perde” Será isso realmente verdade? :


FILOSOFIA:

Os dois tipos de filósofos. :

Comprovando que a matemática sozinha não pode ser usada sem o ferramental filosófico da Razão e da Lógica para explicar a natureza de forma racional:

Usar o raciocínio lógico e a razão, para comprovar uma teoria, nem sempre é lógico. :

A escola doutrina, não ensina. :
http://gilghamesh.blogspot.com.br/2012/09/a-escola-doutrina-nao-ensina.html

Desconstruindo os argumentos de quem tentava desconstruir a Filosofa Ayn Rand:


Atlas Shrugged

Atenção galera: Recomendo muito que assistam este filme, dividido em três partes, baseado em um dos livros de Ayn Rand, chamado: Atlas Shrugged:


Teorizando as Teorias. :

O tempo não existe, ou melhor: O tempo só existe no contexto Biológico/psicológico. :

Como funciona o estudo da Física, hoje em dia. :


ARQUEOLOGIA:

E, havia uma pedra no meio do caminho! :


POLÍTICA:

Quem são os verdadeiros inimigos do Brasil?:


Ideologias, eu não quero uma pra viver... Não quero, ou melhor, não preciso! :

Se você tinha dúvidas sobre nazismo, comunismo e fascismo serem socialismo, ou seja, serem a mesma coisa...

Explicando como funciona o sistema meritocrático no trabalho, de uma forma que até mesmo um político entenda:

Dividindo o bolo pelo método Marxista. :

A falácia da pobreza causada pela “mais valia”. :

Porque a teoria do comunismo (ou socialismo) ao ser aplicada à vida real, fracassa vergonhosamente. :

Igreja Trotskista de todos os dias. :

Yoani sánchez, uma farsa perpetrada pelos comunistas de Cuba! :




.
.
.










segunda-feira, 1 de agosto de 2016

O Negócio do Acordo Ortográfico

O Negócio do Acordo Ortográfico



Texto original em português de Portugal elaborado pela Equipe Jornal diabo.

http://jornaldiabo.com/cultura/acordo-ortografico-negocio/



O projecto, nascido da cabeça do intelectual esquerdista brasileiro Antônio Houaiss, foi desde o início um empreendimento com fins lucrativos, apoiado por uma poderosa máquina política e comercial com ramificações em Portugal.

O português mais distraído talvez pense que um colégio de sábios bons e eminentes terá decidido um dia, após longos anos de estudo e investigação, proceder à reforma do sistema ortográfico da Língua Portuguesa – e que os governos dos países lusófonos, tendo-se debruçado sobre o assunto com o auxílio ponderado de gramáticos e lexicógrafos, terão conscienciosamente aprovado essa tão bem preparada reforma. Mas o português distraído estaria redondamente enganado.

Já se sabia que o acordo ortográfico foi preparado em cima do joelho, longe do debate público e do escrutínio do povo, dos mestres da Língua e dos especialistas da Gramática. Mas só agora começa a conhecer-se, em detalhe, todo o processo de promoção de um tratado internacional que, embora já esteja a ser aplicado em alguns países (como Portugal), só entrará plenamente em vigor, se algum dia entrar, quando todos os governos lusófonos o assinarem. E ainda falta um…

Em Portugal, no Brasil e em Angola, o acordo suscita enormes polémicas e tem contra si uma parte considerável do mundo académico e literário. Não obstante, governos e parlamentos dos PALOP têm vindo a ratificar consecutivamente o tratado, na ilusão “politicamente correcta” (estranhamente adoptada em Portugal por Executivos de centro-direita) de que ele representa “progresso” e “igualdade”.

A ideia, é certo, nasceu na cabeça de um académico esquerdista, o brasileiro Antônio Houaiss, que contou em Portugal com o providencial auxílio do linguista Malaca Casteleiro. Viajemos, então, no tempo e procuremos a génese de todo o processo, que nas últimas três décadas tem enchido os bolsos a um grupo restrito de autores e editores.

Segundo o testemunho do escritor português Ernesto Rodrigues, professor da Faculdade de Letras de Lisboa, publicado no seu ‘blog’ na internet, “Antônio Houaiss e Malaca Casteleiro dinamizavam, desde 1986, um projecto de acordo ortográfico”. Este fora sugerido, em primeiro lugar, no ano anterior, por Houaiss, que até aí fizera carreira como autor de versões brasileiras de dicionários enciclopédicos e dirigira, havia pouco, um “Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa” (1981).

Consultor de editoras privadas

Quem era Antônio Houaiss? De origem libanesa, nascido no Rio de Janeiro em 1915, Houaiss era docente de Língua Portuguesa e consultor de várias editoras privadas de livros quando a ideia lhe surgiu. Apoiante de Getúlio Vargas (e depois de Leonel Brizola e do Partido Democrático Trabalhista, membro da Internacional Socialista), nunca escondeu as suas ideias políticas.

Estas levá-lo-iam mais tarde ao cargo de ministro da Cultura no governo socialista de Itamar Franco, entre 1992 e 1993, e à direcção do Conselho Nacional de Política Cultural, do Ministério da Cultura (1994-1995). Foi a seguir (1996) presidente da Academia Brasileira de Letras. Jocosamente, o humorista brasileiro Millôr Fernandes referia-se-lhe dizendo: “Houaiss conhece todas as palavras da Língua Portuguesa, ele só não sabe juntá-las”.

Em 1985, Antônio Houaiss era apenas um intelectual de esquerda com uma ambição: compor um dicionário da Língua Portuguesa que ombreasse com o famoso “Dicionário Aurélio”, da autoria de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, que desde a sua primeira edição, em 1975, já vendera até então mais de um milhão de exemplares. Mas Houaiss confrontava-se com uma “pequena” dificuldade técnica: para ultrapassar as marcas de Aurélio, o seu dicionário teria de galgar as fronteiras do Brasil e impor-se em todo o mundo lusófono como obra de referência. E para tanto era preciso “unificar a Língua”…

Membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), onde sucedeu a Álvaro Lins (diplomata “progressista” que nos anos 50 provocara uma crise diplomática entre Brasília e Lisboa ao conceder asilo político a Humberto Delgado na embaixada brasileira em Portugal), Houaiss começou a congeminar um projecto de “unificação ortográfica” logo em 1985, com o auxílio do filólogo Mauro de Salles Villar.

No início de 1986, Houaiss promoveu no Rio de Janeiro os primeiros “Encontros para a Unificação Ortográfica da Língua Portuguesa”, que haveriam de arrastar-se até 1990. O dicionarista obtivera para isso “carta branca da ABL”, segundo referiu José Carlos de Azeredo, professor do Instituto de Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, em entrevista ao jornal digital brasileiro UOL. “O Antônio Houaiss era o único representante brasileiro”, especificou.

Máquina política e comercial

De início, a intelectualidade dos dois lados do Atlântico fez vista grossa à flagrante coincidência entre o autor da ideia de “unificar a Língua” e o potencial autor do primeiro grande dicionário da Língua “unificada”. Só depois, por fugas de informação, a comunidade científica se apercebeu da monstruosidade do propósito. Mas a máquina política e comercial já estava em marcha…

Em 1990, os representantes dos PALOPs são levados a subscrever um primeiro tratado com vista à “uniformização” da ortografia. E Antônio Houaiss e Salles Villar embrenham-se na elaboração da sua obra-prima. De caminho, Houaiss vinha publicando outros livros, de carácter mais partidário, como “O fracasso do conservadorismo”, “Brasil-URSS 40 anos do estabelecimento de relações diplomáticas”, “Socialismo e liberdade” ou “Socialismo – Vida, morte e ressurreição”. Creditava-se, assim, como político, condição que assumiu plenamente ao integrar o governo socialista de Itamar Franco, na sequência do ‘impeachment’ do presidente Collor de Melo.

Por esta altura, tornara-se óbvia a falta de entusiasmo dos intelectuais brasileiros quanto a uma reforma da ortografia. Um primeiro acordo fora assinado, é certo, mas previa-se um longo e difícil caminho até à sua promulgação final no Brasil. Na própria Academia Brasileira de Letras, muitos eram os académicos que se manifestavam contra o projecto. Um deles, o conhecido gramático Evanildo Bechara, afirmava mesmo: “Deus nos livre desta monstruosidade”.

Que fazer? A generalidade dos cientistas opunha-se ao acordo, mas este estava assinado e podia, ainda que informalmente, ser “imposto” através da divulgação massiva de um “novo dicionário” usando as “novas regras”. E se essa divulgação pudesse ser feita pelo próprio Estado, tanto melhor. Foi este o caminho escolhido pelos defensores dessa “nova língua” a que em Portugal logo se pôs a alcunha de “acordês”.

Ministro socialista

Houaiss era agora ministro da Cultura de Itamar Franco. Numa entrevista concedida ao programa televisivo Roda Viva, da TVCultura, em 16 de Novembro de 1992, o dicionarista deixou claro o seu propósito de dinamizar “um instituto que, por iniciativa do Estado, fizesse na área da cultura do livro aquilo que a cultura privada não queria fazer”. E confessou, indo direito ao assunto: “A Fundação de Assistência ao Estudante (FAE) tem uma capacidade de distribuição acima de qualquer distribuidora de livros no Brasil. E ela, a título não oneroso, poderá fazer isso para os editores privados, que terão seu livros circulando pelo Brasil inteiro, com uma diminuição de carga de despesas bem substancial. Essa é a linha que eu estou imaginando poder fazer”.

Durante essa entrevista, o escritor Ivan Ângelo ainda tentou introduzir a questão em que toda a gente pensava mas poucos se atreviam a colocar. “Parece que há grandes grupos da indústria cultural, nos dois países, Brasil e Portugal, interessados no acordo, porque isso fará com que se abra um mercado dos países africanos, para dicionários, fascículos, livros escolares, livros didácticos”, sugeriu o romancista. E perguntou com candura: “O senhor sente ou já sentiu alguma vez a presença dessa indústria cultural no favorecimento, ou no apressamento, ou algum ‘lobby’ para que esse acordo saia o mais breve possível para aumentar os seus negócios internacionais?”.

Mas Houaiss deixou a pergunta sem resposta directa. Em contrapartida, reconheceu que “aspirava”, com o seu “vocabulário ortográfico pan-lusofônico”, chegar a “20% da população, tendencialmente 25, 26, 27%”. E isto só poderia conseguir-se com o auxílio do Estado na distribuição de exemplares pelas escolas e organismos oficiais.

Surpreende a franqueza com que Houaiss confessou, na mesma entrevista: “Eu evidentemente tenho subjacente em mim uma direcção socializante, certas visões de relevo derivam dessa minha própria formação”. E, assim, o autor da ideia da “unificação ortográfica” e autor do primeiro dicionário comercial baseado nessa ideia tornava-se agora, como ministro, o promotor desse mesmo dicionário através dos organismos estatais da sua tutela.

E não era desprezível, o auxílio que a FAE podia prestar aos editores comerciais de dicionários. Criado em 1983, este organismo tinha a seu cargo a aquisição, difusão e distribuição gratuita de livros didácticos destinados aos alunos das redes públicas de ensino, excluindo expressamente da lista as obras “desactualizadas”. Era uma pescadinha de rabo na boca.

O aliado português

Entretanto, Houaiss garantira em Portugal a colaboração de um aliado providencial: o linguista João Malaca Casteleiro. Oriundo da área de Filologia Românica, Casteleiro era desde 1981 professor da Universidade de Lisboa e participara, em representação da Academia das Ciências, no primeiro Encontro para a Unificação Ortográfica da Língua Portuguesa, em 1986.

Preparando as grandes alterações que o acordo ortográfico fazia adivinhar, e enquanto Houaiss trabalhava no Brasil para concluir o seu opus magnum, Malaca Casteleiro lançou-se em Lisboa à tarefa de coordenar um “Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea” patrocinado pela Academia das Ciências, incluindo estrangeirismos, coloquialismos, brasileirismos e africanismos.
A tentativa não lhe correu bem: ao fim de mais de dez anos de trabalho (financiado pela Fundação Gulbenkian e pelo Ministério da Educação), o “Dicionário da Academia” era acolhido pelo público e pela comunidade académica com uma indiferença gelada. Em 2006, aquando do lançamento comercial da obra, pela Editorial Verbo, o próprio editor reconhecia: “o Dicionário tem falhas, tem lacunas e precisa de ser urgentemente revisto”.

Na sequência do malogro, Malaca Casteleiro foi afastado da presidência do Instituto de Lexicologia e Lexicografia da Academia e dedicou-se à elaboração de dicionários de edição comercial, utilizando a “nova ortografia” que ele próprio ajudara a definir e chegara a recomendar oficialmente, em nome da Academia.

Em 2007 solicitou (e obteve) um financiamento público de 70 mil euros para elaborar um “Dicionário Ortográfico e de Pronúncias do Português Europeu”, com a participação de uma empresa privada de edição de livros, a Opifício Limitada. Entretanto, surgira em 2002 como coordenador da versão nacional do “Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa”, que já teve edições pelo Círculo de Leitores e pela Temas & Debates.

Vasco Graça Moura acusa.

Ainda em 2012, o escritor Vasco Graça Moura, recentemente falecido, escrevia (no Diário de Notícias) que “o professor Malaca tem-se especializado em produções de medíocre qualidade, como o famigerado e redutor dicionário da Academia das Ciências, abominável exercício de encolhimento do português contemporâneo”. E Madalena Homem Cardoso, destacada activista anti-acordo ortográfico, escrevia no seu ‘blog’ na internet sobre os dois grandes promotores do “acordês” no Brasil e em Portugal: “O que é que existe em comum entre Malaca Casteleiro e Houaiss? Ambos têm raízes genealógicas fora da cultura de língua portuguesa.

Houaiss foi filho de pais emigrantes libaneses chegados ao Brasil sem saber falar uma palavra de português. Malaca Casteleiro tem a suas raízes genealógicas na ex-Índia portuguesa, onde o português nunca foi língua comum. Para nenhum deles, portanto, o Português é Língua Materna; não o é, pelo menos, com a profundidade/densidade/qualidade que ela tem para a maioria de nós. Isto é importante que se diga, para que se compreenda esta evidente leviandade no delapidar de um património tão rico”.

Entretanto falecera no Brasil (em 1999, com 83 anos) o primeiro e principal promotor do acordo ortográfico, Antônio Houaiss. À data do seu passamento, o acordo era ainda uma incerteza: assinado pelo governo de Brasília, não entrara ainda em vigor e cresciam à sua volta as vozes críticas.

Mas Mauro de Salles Villar prosseguia na elaboração do “Dicionário Houaiss”, certo de que (como veio a suceder) as autoridades brasileiras colaborariam na sua compra e difusão. Prudentemente, Antônio Houaiss criara em 1997 um “Instituto” com o seu nome, em cuja delegação portuguesa passou a pontificar Malaca Casteleiro.

Acontecesse o que acontecesse com o acordo, o projecto de edição comercial mantinha-se, agora no âmbito do “Instituto Antônio Houaiss de Lexicografia”, com sede no Rio de Janeiro, e da “Sociedade Houaiss Edições Culturais”, sediada em Lisboa. Apesar das designações de sabor científico, trata-se de duas empresas de responsabilidade limitada. O Instituto, no Rio de Janeiro, passou entretanto a editar freneticamente, estando hoje massificados o “Dicionário Houaiss” (concluído em 2001), o “Mini Houaiss”, o “Meu Primeiro Dicionário Houaiss”, o “Dicionário Houaiss de Sinônimos e Antônimos” e uma miríade de outros títulos, como “Gramática Houaiss” e “Escrevendo pela nova ortografia/Como usar as regras do novo acordo ortográfico da língua portuguesa”. O negócio continua.

Golpe e negócio

No final dos anos 90, contudo, havia razões para pensar que o acordo ortográfico corria o risco de “não passar” no Brasil. Muitos escritores, professores e académicos manifestavam reservas, e a própria Academia Brasileira de Letras resistia à sua promulgação. O acordo estava esquecido, e era provável que nunca entrasse em vigor. Foi então que, em 2006, ao tempo da presidência do esquerdista Lula da Silva, antecessor de Dilma Rousseff à frente dos destinos do Brasil, uma reviravolta acabou por impor aos brasileiros, gostassem ou não, a “unificação ortográfica”. Quem o conta é o professor Sérgio de Carvalho Pachá, então lexicógrafo-chefe da Academia Brasileira de Letras (ABL), em entrevista a Sidney Silveira, do Instituto Angelicum de Filosofia.

Respondendo à pergunta “Quem foi a pessoa que promoveu este golpe?”, Pachá revelou: “A Academia elegeu um homem que, por temperamento, gostava de aparecer nos Media, na televisão [Marcos Vinícios Vilaça, presidente da ABL em 2006-2007 e 2010-1011]. Uma das primeiras providências desse senhor foi criar um escritório de divulgação, dirigido por um indivíduo cuja função fosse promover as autoridades da ABL nos Media, através de menções nos jornais e na televisão. Este homem era pago, muito bem pago, para ‘badalar’ a Academia. Um belo dia, este indivíduo ouviu dizer que dormia nas gavetas, havia mais de dez anos, um projecto de ‘unificação’ ortográfica. Este homem não era professor de Português, não era linguista, não era filólogo: era um jornalista [Antônio Carlos Athayde, assessor de Imprensa da ABL]. Ele ouvir dizer [que havia esse projecto] e logo pensou em ‘unificar tudo’. Ele correu para o presidente e disse: ‘presidente, eu tive uma ideia que não vai tirar mais a ABL dos Media. Nós vamos promover a unificação ortográfica’. E o presidente, que não entendia absolutamente nada de ortografia ou de sistemas ortográficos, imediatamente comprou aquela ideia genial e a Academia mais que depressa começou a promover a ‘unificação’ ortográfica”.

Para esta reviravolta muito contribuiu o gramático Evanildo Bechara, que começara por ser um dos mais acérrimos críticos do acordo e que em 2006 mudou repentinamente de opinião e passou a defendê-lo. Só um pouco mais se tarde se percebeu porquê: em breve era publicado o seu livro “O que muda com o novo acordo ortográfico”, vendido aos milhares pela editora brasileira Nova Fronteira…

Conclui Sérgio de Carvalho Pachá: “Eles tinham já o gramático de plantão, o ortógrafo de plantão, que se transformou no grande propagandista da ‘unificação’ que não unifica coisa nenhuma. Para quê chamar outros filólogos, que poderiam introduzir controvérsia? […] A ABL não fez isso com o intuito generoso de unificar as grafias da Língua Portuguesa. Não: foi um golpe de publicidade […]. Foi vender gato por lebre. Foi uma balela desde o começo […], uma fraude”. Não tardou muito que o lexicógrafo-chefe da Academia Brasileira de Letras fosse despedido e Lula da Silva decretasse o uso compulsivo do “novo Português” em todo o Brasil.

Em Portugal, o acordo ortográfico foi introduzido no dia-a-dia da administração pública e do ensino oficial, mas a sua aplicação definitiva e vinculativa só terá efeito a partir do momento em que estiver ratificado por todos os países lusófonos. Falta que Angola o faça, e em Luanda crescem as dúvidas sobre se isso algum dia virá a acontecer. A decana da Faculdade de Letras da Universidade Agostinho Neto e ex-directora executiva do Instituto Internacional de Língua Portuguesa, Amélia Mingas, resumiu desta forma a opinião da comunidade académica do seu país: “o governo angolano é o único que não ratificou [o acordo ortográfico] e eu estou plenamente de acordo com isso, porque a variação que a língua portuguesa sofreu no nosso país não está ali considerada”.

O poder dos negócios e da política parece, até hoje, ter vingado. Mas nem tudo está perdido.



.
.
.





sábado, 23 de julho de 2016

Quem são os verdadeiros inimigos do Brasil?

Texto de: Roberto das Neves

Quem são os verdadeiros inimigos do Brasil?


Temos que mudar o jogo!

Um país, um Estado é, em última instância, uma empresa.

E toda empresa, só funciona, só cresce, só gera lucro para os seus sócios, se for administrada com competência por profissionais gabaritados, com formação acadêmica não partidária e experiência trabalhista de sucesso, apoiando o Livre Mercado.

E nesse sentido, nós, o povo deste país, somos os sócios desse Estado, que, através de nossos impostos, pagos religiosamente todo ano, esperamos que esse Estado, essa empresa, gere lucros em benefício de todos os cidadãos brasileiros.

Lucro esse, gerado e transformado por nossos impostos, em benefícios para toda a população, através de saúde, educação, segurança, justiça, transporte e infraestrutura, para que o país se desenvolva cada vez mais e torne-se um país de primeiro mundo, ou melhor, uma empresa de primeiro mundo que lucra e gera benefícios para todos os cidadãos.

Nenhuma empresa sobrevive, alcança o sucesso e gera lucro para seus sócios, se ela é administrada por incompetentes sem formação profissional ou sem experiência administrativa, ela quebra, entra em falência, colapsa e fecha.

O país só não entra em falência, só não fecha, porque continuamos a injetar dinheiro nele todos os anos, através de nossos impostos.

Ao longo de séculos, surgiu um câncer na sociedade humana, e a esse câncer, damos o nome de Política.

E o político é um incompetente administrativo e profissional por natureza, e ciente da sua incompetência, usa, para manter-se no cargo, que deveria ser preenchido por profissionais gabaritados, o seu único dom, o dom da oratória baseada em mentiras.

Um político jamais conseguiria ocupar um cargo administrativo em uma empresa séria, pois, uma empresa séria, escolhe a dedo os profissionais que nela trabalharão.

Como um político geralmente não tem formação profissional, formação escolar não doutrinária e experiência trabalhista administrativa mínima, o político não pode ocupar um cargo nessa empresa, afinal, os sócios dessa empresa buscam profissionais competentes para nela trabalhar, para que a empresa gere lucro para seus sócios.

 Mas, acontece que, são muitos políticos para ocupar os poucos cargos para administrar um país.

E a solução que eles criaram para tentar ocupar esses cargos, foi a criação de ideologias político/partidárias.
   
Criaram partidos e cada um deles, criou um inimigo imaginário a ser combatido através de suas oratórias.

E sua oratória é baseada em hipóteses criadas especificamente para o fim à que se destinam: usar o povo como massa de manobra, para conquistar votos e serem eleitos e assim, ocuparem os cargos que eles cobiçam, uma vez que, somente assim, eles podem ocupar esses cargos, sem ter a mínima competência administrativa, trabalhista e experiência.

Uma vez alcançado o cargo, o político então, monta seu curral eleitoral, para manter-se nesse cargo e enriquecer com o nosso dinheiro.

Ele cria empregos não necessários para o país, para que seus apoiadores ganhem esses empregos e continuem a apoiá-lo, sugando assim, os impostos que deveriam ser utilizados para o país crescer e evoluir, em benefício de toda a população.

As empresas estatais, juntamente com as ong’s, ministérios corruptos, sindicatos, etc., incham a cada ano, sugando cada vez mais o dinheiro advindo dos impostos e nosso próprio dinheiro adquirido com nosso próprio esforço, tornando-se cada vez mais, ineficientes, lerdas e incompetentes.

Mas isso não é suficiente, é preciso manter uma parcela do povo em contínua luta contra um inimigo inexistente e imaginário, ou criando novos inimigos inexistentes para ludibria-los, escondendo de suas vistas, quem são os verdadeiros inimigos, eles mesmos, os políticos.

Além disso, para manter-se em seu cargo, é preciso vez ou outra, mandar esmolas para o povo, travestida de benefícios, para manter seu curral eleitoral em suas garras, fazendo-os crer que essa esmola é um avanço social, fazendo-os crer que esse dinheiro, essa esmola, foi dinheiro arrancado desses inimigos imaginários, sem nunca ter sido. Esse dinheiro vem dos impostos pagos por todos nós, os cidadãos.

Você pode argumentar que nem todos os políticos são assim. Concordo, mas, os políticos honestos, são aqueles que conquistam um cargo, tentam lutar contra esse sistema e, não conseguindo, vão até o fim de seu mandato, da maneira mais honesta e digna possível e depois, nunca mais tentam se eleger, saem da vida política, pois descobrem como os políticos “profissionais” realmente são.

Abram seus olhos, o político é uma casta que não é a favor do povo, nunca foi. Ele apenas usa o povo que ele ludibria, para manter-se em seu cargo, pois, se tentasse ocupar um cargo de forma legal, honesta e correta, ele jamais conquistaria tal cargo, pois não tem formação, competência e experiência, para tal.

Os funcionários públicos são sim, nossos empregados e devemos exigir desses funcionários e administradores, que, através de sua administração, o país gere lucro em benefício de toda a população.

Então, precisamos substituir a casta política, eliminar os cargos políticos, pois, ao longo de toda a história de nosso país, essa casta, seja de qual doutrina ideológica professem, demonstrou ser falha e incompetente.

Independente de qual partido conquiste o poder, já obtivemos provas incontestes de que eles jamais foram a solução, mas sim, o verdadeiro problema do nosso país não se tornar rico em benefício de toda a população.

Entra partido, sai partido, os problemas continuam existindo, nunca encontram a solução, e não encontram a solução, por dois motivos: são incompetentes como administradores e não querem realmente encontrar soluções, pois, acham mais fácil, criar currais eleitorais para se manterem no poder, impedindo que outros partidos ocupem seus lugares na administração.

São incompetentes lutando para não serem substituídos por outros incompetentes.
Mas, qual seria a solução para colocar o país nos trilhos do desenvolvimento e geração de riqueza para toda a população?

A solução é muito simples:
Para que uma pessoa Brasileira exerça um cargo como presidente, governador ou prefeito, essa pessoa deverá participar de concurso público, onde ele demonstrará sua competência e experiência administrativa. Através de concurso público sério, competente e não criado por qualquer ideologia, selecionaremos os profissionais mais gabaritados para ocuparem esses cargos.

E, estes profissionais que serão escolhidos, poderão ser sumariamente demitidos, quando demonstrarem não serem eficientes no cargo que conquistaram e substituídos por outros profissionais concursados.

Os cargos políticos não necessários para a administração, como por exemplo: vereadores, deputados e senadores, serão extintos, pois, para administrar um país, não há necessidade nenhuma de ideologias partidárias, elas já demonstraram ao longo de centenas de anos a sua ineficiência e não precisamos delas para absolutamente nada.

Uma administração profissional, não precisa de ideologias políticas para tornar o país lucrativo para toda a população.

Toda a população é acionária do país, e como acionária, será beneficiária da riqueza gerada por um país bem administrado profissionalmente e não ideologicamente.


Chega de políticos, não precisamos de suas ideologias, precisamos é de soluções permanentes  encontradas por profissionais competentes e experientes, coisa que eles, os políticos, jamais ofereceram ou oferecerão, porquê são incompetentes para isso.

Por exemplo: Quando você precisa de um médico, você não está preocupado se a pessoa é homem ou mulher, não está preocupado com a cor dela, não está preocupado com a religião dela, não está preocupado com a ideologia dela.

Você está preocupado é em saber se essa pessoa, é uma pessoa de gabarito técnico, se é competente, se apresenta boas soluções, se é profissional e tem experiência comprovada.

Isso se aplica a tudo, inclusive sobre quais os profissionais que você escolherá para administrar o país.

Precisamos de muito menos Estado e muito mais Mercado Livre.

Temos que encarar o nosso país como uma empresa. E nós somos sócios dessa Empresa e queremos que ela seja lucrativa para o nosso benefício, para o benefício de todos os brasileiros e não para o benefício dos políticos incompetentes e seus apoiadores parasitas.