sábado, 26 de janeiro de 2013

Teoria Padrão, os acobertamentos de um fracasso matemático.

Autor: Roberto das Neves



A teoria padrão, vulgarmente mais conhecida como Teoria do Big Bang, é uma teoria matemática, onde uma fórmula é o resultado de outra fórmula antecessora.

Para que você possa entender, apresento abaixo, a Fórmula completa:



A teoria padrão é o encadeamento sistemático de uma série de fórmulas iniciais, gerando outras fórmulas, com o intuito de se obter uma equação completa sobre o funcionamento do universo.

Muitos consideram essa equação, (pois foram ensinados e doutrinados a aceita-la), um triunfo do saber humano, o ápice da engenhosidade matemática que tudo pode explicar, usando-se a lógica e a razão, através da linguagem matemática.

Só que, a coisa não é bem por aí.

Pela lógica, se algo for encontrado através da observação, que não esteja de acordo com os resultados dessa formula, significa que a equação correspondente está errada em algum ponto do encadeamento de sua formulação.

Como a equação é o encadeamento de várias fórmulas que são resultado direto de uma equação antecessora, isso significa que a teoria, como um todo, pode estar completamente errada, apesar de confirmar algumas observações.

Você sempre ouve falar a seguinte máxima da ciência: “Se uma teoria não está de acordo com os resultados observados e obtidos, descarta-se a teoria e se formula uma nova e mais adequada teoria”.

Só que, não é isso o que temos visto em relação à teoria padrão.

Uma série de erros sistemáticos nela contidos tem sido acobertada, acrescentando-se afirmações “Ad hoc”, na tentativa de salva-la.

Mais abaixo, irei apontar esses erros, mas antes, é necessário entender-se, o porquê da tentativa desesperada, por trás do acobertamento sistemático das falhas, causadas por equações erradas contidas na teoria padrão.

São vários os motivos, e acredite, muitos dos motivos, tem o “imprimatur” das religiões.

Uma vez que a teoria padrão matematiza que, do nada, pode surgir tudo, as religiões utilizaram essa afirmação completamente “ad hoc”, para incluir o fator deus na equação, pois segundo as religiões, somente um deus ou deuses podem criar tudo a partir do nada.

E uma prova cabal disso, aconteceu em 1951, quando o Papa Pio XII, no dia 22 de Novembro, na Academia Pontifícia das Ciências, num discurso intitulado: "As provas da existência de Deus à luz das modernas ciências da Natureza" apoiou o modelo do Big Bang, entendido como interpretação científica do livro do génesis e argumento a favor da existência de deus.

Diz-se que a maioria dos cientistas que estudam o cosmos, são ateus, mas isso é uma inverdade, a grande maioria, ou é agnóstica ou é partidária de uma religião, apenas uma pequena parte dos pesquisadores é assumidamente ateia.

Ora, se assim o é, é grande o interesse dessa maioria, colocar as suas crenças, à frente da lógica e da razão, ao defender a teoria padrão.

Outro motivo, e esse é um motivo doutrinário, é que a grande maioria dos pesquisadores e professores atuais, foram ensinados nas escolas a não duvidarem da teoria padrão, lhes é ensinado que a teoria está correta e ponto final.

E o motivo último, é o motivo carreirista e egoísta. Um grande número de pesquisadores construiu sua carreira, e assim, manteve seu emprego e seu “status quo”, defendendo o “establishment” científico, baseado na defesa e pesquisa de resultados favoráveis, que apontem para o “sucesso dos acertos” para a comprovação da teoria padrão e relevando os resultados observacionais que refutam a teoria..

Mas, se você, enquanto jovem pesquisador, encontrar alguma coisa que não é prevista pela teoria, ou as suas observações de fenômenos astronômicos apontem para falhas contidas nas equações da teoria padrão, cuidado.

Sua pesquisa, ou será cancelada, ou então, você será “gentilmente” obrigado a mudar o foco de sua pesquisa inicial, de forma que não comprometa os “sacramentados” enunciados da teoria.

A teoria Padrão

A teoria padrão está assentada em quatro pilares principais: A teoria da relatividade de Einstein, onde nela, se formula a constante cosmológica, que matematiza e afirma que o universo é homogêneo, a teoria gravitacional de Einstein, que matematiza a forma como a gravidade atua, distorcendo o tecido espaço/temporal, a teoria de Lemaitré/Friedmann, que matematiza que todo o universo surgiu de um ponto extremamente compacto e extremamente quente, e finalmente, a teoria de Hubble, sobre a expansão cósmica, que matematiza que, o universo está em constante expansão, afastando as galáxias umas das outras, a partir do ponto inicial proposto por Lemaitré.

Todas as fórmulas restantes, constantes na teoria padrão, são desdobramentos decorrentes dessas quatro teorias matemáticas iniciais e o resultado dessas fórmulas, devem prever o funcionamento do universo observável.

Ok. Tá, bacaninha...

Só que...

Quanto mais os astrônomos observam o universo, mais o mesmo apresenta comportamentos anômalos, inconsistentes ou não previstos matematicamente pela teoria padrão...

E quando isso acontece, buscam-se explicações completamente filosóficas, explicações “ad hoc”, na tentativa de salvar a teoria e acobertar suas falhas, uma vez que carreiras profissionais inteiras, o “status quo” científico, e paralelamente e por baixo do pano, as religiões, defendem e dependem da manutenção desta, como a “teoria oficial”, ou, “a teoria mais completa e aceita”, pela sua “quantidade de acertos em suas previsões”...

Enfiando fundo o dedo nas feridas.

Existem interesses escusos na manutenção da teoria padrão, e você é constantemente bombardeado com informações selecionadas a dedo, para continuar acreditando que esta é realmente uma teoria válida e a mais precisa que existe, fruto do gênio humano que descobriu como o universo funciona.

Apresentando as evidências da falcatrua:

Todo mundo já está careca de ouvir e ler sobre matéria escura e energia escura, o que a maioria não sabe, é como surgiu essa teoria completamente “ad hoc”.

A formulação da teoria padrão predizia que existe uma quantidade X de matéria e energia que compõe o universo.

Ao se fazer as medições sobre esta quantidade de matéria e energia, constatou-se que ela é assustadoramente maior do que a teoria padrão propunha.

Em vez de se assumir que a teoria padrão estava incorreta em relação à quantidade de matéria e energia que de fato, realmente existe, para se salvar o restante das equações teóricas de seu fracasso, propôs-se uma alternativa “elegante”, mas puramente filosófica:

“Existe matéria e energia escura, que são responsáveis pela manutenção gravitacional do cosmos, essa matéria e energia, são não bariônicas, e por esse motivo, não podiam ser previstas pela teoria padrão”.

Oficialmente: “Na cosmologia, matéria escura (ou matéria negra) é uma forma postulada de matéria que só interage gravitacionalmente (ou interage muito pouco de outra forma). Sua presença pode ser inferida a partir de efeitos gravitacionais sobre a matéria visível, como estrelas e galáxias. No modelo cosmológico mais aceito, o ΛCDM, que tem obtido grande sucesso na descrição da formação da estrutura em larga escala do universo, a componente de matéria escura é fria, isto é, não-relativístiva. Nesse contexto, a matéria escura compõe cerca de 23% da densidade de energia do universo. O restante seria constituído de energia escura, 73% e a matéria bariônica, 4%.”.

Usa-se um jargão cientificista, para dar uma desculpa esfarrapada, para enrolar os leigos.

Mas, o que de fato seria essa matéria escura e essa energia escura?

Esse material não visível trata-se apenas de matéria que ainda está formando novas galáxias, estrelas, planetas, planetóides, asteroides e um grande número de escolho material.

Por não estarem ainda completamente formadas, essas novas estrelas ainda não entraram em fusão, para emitir luz visível que possa ser detectada, e mesmo que entrem em fusão, dependendo da distância em que se encontram, levarão milhares, milhões ou bilhões de anos para que, a luz que delas se irradiará, possa ser detectável por nossos equipamentos, contudo, a força gravitacional gerada por essa quantidade gigantesca de material, pode ser detectada, pois está sendo exercida já a milhões ou bilhões de anos de lenta formação.

Sem contar que existem evidências de planetas que estão vagando pelo cosmos, que não estão fazendo parte de um sistema estelar, esses planetas foram expulsos de suas órbitas devido à força gravitacional de outros planetas do seu sistema e tornaram-se planetas errantes, e eles, inclusive, tem um nome: são chamados de planetas órfãos e supõe-se que o seu número possa ser igual ou maior que o número de planetas orbitando normalmente uma estrela, fora isso, existem também evidências da existência de planetas, planetoides, asteróides, etc., que se formaram sem estarem necessariamente atrelados a órbita de uma estrela em formação.

Um interessante artigo sobre isso:


Ora, além desses planetas errantes expulsos e as estrelas ainda em formação, existe um sem número de escolho, ou seja, matéria de “pequenas proporções” que está transitando pelo universo livremente e que ainda não tem tamanho suficiente para ser detectado enquanto matéria, contudo a força gravitacional por eles emitida, também é detectável. Esse material será posteriormente capturado pela força gravitacional de uma estrela, e formará, juntamente com outros “cascalhos”, um planeta, um planetóide, uma lua, um asteroide ou um cometa.

Todo esse material, é responsável pela “matéria e energia escura”, ou seja, não existe matéria ou energia escura não bariônica, como foi proposta para salvar a teoria padrão, o que existe, é uma flagrante falha na teoria padrão, em relação ao seu resultado matemático sobre a quantidade de matéria e energia que efetivamente existe e o que ela prediz.

Para se acobertar essa falha, criou-se uma teoria bonitinha denominada: “matéria e energia escura”, que não se suporta, não se comprova pelas evidências observacionais, é uma hipótese fadada ao fracasso na tentativa de salvar mais um erro matemático grotesco.

No entanto, vende-se esse fracasso como uma vitória da teoria padrão, inverte-se o ponto de vista, para manter o “establishiment”.

Mas, a coisa não para por aí!

Outro flagrante erro contido na teoria padrão, cujas observações astronômicas a contradizem, refere-se ao efeito “redshift”, que comprovaria a teoria da expansão, nesta teoria matemática, afirma-se que a expansão existe e pode ser detectada pelo desvio de luz observado pelas galáxias.

As galáxias que estão se afastando mais rapidamente, apresentam um desvio de cor para o vermelho, as que estão se afastando mais vagarosamente apresentam um desvio para a cor azul.

Quanto maior o desvio para o vermelho, maior é a velocidade de expansão a que, esta galáxia está submetida.

Só que, a teoria padrão, não previa algo que está acontecendo e sendo constantemente observado por todo o universo, isso é mais um flagrante erro de sua matematização na proposta da expansão, e que a compromete totalmente: Milhares de galáxias estão em rota de colisão ou estão colidindo, ou ainda, já colidiram.

Em um universo que se propõe em perpétua expansão, onde, as galáxias afastam-se uma das outras, a partir de um ponto inicial, as colisões entre galáxias não poderiam ocorrer.

E, além disso, essas galáxias em colisão demonstraram outra falha teórica, uma anomalia em relação sobre a afirmação de que, o “redshift” demonstra e é prova da expansão do universo.

Ao se observar centenas dessas galáxias em colisão, observou-se que muitas delas, tinham um desvio para o vermelho, muito maior do que a outra galáxia com a qual ela esta colidindo, ora, isso significa que elas não poderiam estar colidindo, pois elas estariam milhares de anos luz, afastadas uma da outra.

No entanto, elas estão colidindo, numa flagrante comprovação em relação ao efeito matemático “redshift”, não poder ser usado como uma prova incontestável sobre a expansão do universo, e ainda mais, o efeito não é aquilo que a proposta matemática afirma ser!

Então, temos aqui, mais duas provas comprometedoras observacionais contra a teoria padrão: A colisão das galáxias, e o efeito “redshift” não correspondem com a matematização formal proposta, o efeito ”redshift”, não é correspondente com a proposta matemática teórica previsível.

As academias de ciências tentaram abafar o assunto e conseguiram, através de boletins jornalísticos (e não científicos). 
Afirmaram que tais galáxias não estavam em colisão, sendo isso, um mero erro de interpretação observacional.

Os astrônomos, profissionais pesquisadores, que relataram essas anomalias, ou foram afastados de seus cargos, ou tiveram suas pesquisas canceladas, ou ainda, foram marginalizados e estigmatizados, no entanto, as provas estão aí, para quem quiser se dispor a analisar.

Um vídeo interessante sobre esse controverso assunto, é este aqui:





E tem mais?

Pior é que tem sim...

Chegamos agora a Einstein, e sua Fórmula da “constante Cosmológica” que é parte integrante da teoria padrão e é um dos seus pilares.

A formulação matemática de Einstein, afirma que o universo é homogêneo e constante, ou seja, toda a matéria está distribuída de forma uniforme por todo o universo.

No entanto, astrônomos (sempre eles) têm observado anomalias no universo que comprometem terminantemente a “constante cosmológica”.

Trata-se de dois grandes atratores, que estão concentrando uma enorme quantidade de matéria em localizações distintas do universo e tornam o universo, não homogêneo.

Abaixo, os links sobre os dois atratores:



Em relação aos grandes atratores, o “establishment científico”, pouco ou nada tem ainda a dizer, devem estar procurando desesperadamente mais uma saída maquiada, hipotética e bonitinha, para mascarar novamente, a grande mentira que tem lhes dado o sustento e mantido suas carreiras bem sucedidas, guiadas pelo cabresto dogmático cientificista.

Provavelmente, tentarão mais uma vez, afastar a atenção do populacho leigo, com alguma “nova descoberta” que comprova a eficácia e o sucesso da teoria do big bang.

Outro detalhe que não é divulgado corretamente, é que o ruído de fundo, previsto pela teoria padrão, também é previsto em outras teorias sobre o surgimento do universo.

E se você for um leigo e discordar, sempre receberá aquelas respostas: “O que você entende da complexidade de uma fórmula matemática?”, ou ainda: “Você sabe ler uma fórmula matemática, para emitir uma opinião?”, ou ainda: “Vai estudar física antes de abrir a boca!”.

Mas, felizmente, esses são vômitos de alguns poucos chimpanzés, que acham que um diploma em física, os coloca em um patamar mais elevado da civilização, dando somente a eles, o aval e o direito, com os devidos paramentos sacrossantos do cientificismo, para tentar opinar sobre como funciona o universo.

Estamos vivendo um novo período do “Roma locuta, causa finita”, só que agora, na versão turbinada da ciência dogmática cientificista...

Além disso, alguns outros, nem chegarão ao final do texto, só com base no título, já darão a sua sentença: “Isso é apenas mais uma teoria da conspiração...”, e a unanimidade burra, acompanhará e apoiará a sentença, felizes da vida, por fazerem parte da “intelligentsia cientificista”, pois isso significa aparentemente, estar no topo da moda, onde, a “verdade” tem preço, é moldada e vendida ao bel prazer dos “formadores de opinião” e fartamente distribuída através de programas e entrevistas televisivas, enchendo os bolsos dos cientificistas, apoiados pelos mais diversos tipos de “gnósticos quânticos” que também lucram absurdamente com isso...

Palminhas para eles...

Mas, doa a quem doer, a questão permanece: Se partes vitais da teoria, responsáveis por todo o seu estruturamento estão incorretas, a teoria como um todo, apesar de acertar em alguns aspectos, é inválida e deve ser descartada, para dar lugar a uma nova teoria.

Remendar uma teoria constantemente, para encobrir seus erros, como tem sido feito com a teoria padrão, desestimula completamente os jovens formandos e também, os velhos pesquisadores, a buscar novas teorias que tentem explicar o funcionamento do universo de forma mais precisa e correta.

Assim, estes pesquisadores, entram em uma “linha de produção”, onde se estimula a fazer apenas mais do mesmo, e são ameaçados se não andarem feito robozinhos nesta linha, em nome da ciência.

Então, comprova-se que aquela velha máxima da ciência sobre: “Se uma teoria estiver errada, desfaça-se dela e crie uma nova”, torna-se apenas mais uma bela estorinha pra boi dormir e enganar os leigos e os jovens ou novos cientistas.

Aprenda: ande sempre na linha traçada pelo cientificismo, se não quiser receber a chibata cientificista dogmatica e a devida e irrevogável passagem para o ostracismo profissional.

E com isso, atrasa-se assustadoramente o desenvolvimento da verdadeira Ciência, a “Big Science”, responsável pela busca de melhores respostas, que resultarão em melhores e mais avançadas tecnologias, em prol da humanidade.
.
.
.

3 comentários:

  1. Bom dia, Sr. Gilghamesh.
    Já faz um bom tempo que sinto a necessidade de me desabafar com a situação por qual nós nos encontramos por causa do lixo de informações que "eles" despejam nas nossas cabeças, mas ainda não o fiz por não estar preparado em estrutura de comunicação que um leigo necessita ter para lidar com "eles", e por não ter em mãos o farto material informativo, (que eu sei bem que existe em grande quantidade), que é indispensável para a defesa em réplicas, tréplicas, etc.
    O que o senhor produziu aqui, nesta página, ("Teoria Padrão, os acobertamentos de um fracasso matemático"), se identifica em muito com o que eu necessito dizer para sanar minha necessidade.

    Por aqui, somente agradeço por acalmar minha alma.

    Então, muito obrigado.

    ResponderExcluir
  2. O que você escreveu está correto, o modelo padrão não descreve completamente o universo, possui varios erros. Mas o maior erro dos fisicos é descrever o que querem dizer, sem dizer como descobriram a equação. Por exemplo, as equações de MaxWell, as pessoas não falam como ele descobriu aquilo, ou se isso está realmente certo, simplesmente falam que é a equação que descreve corretamente o eletromagnetismo, mas nunca se questionam se isso está realmente certo, ou como foi que ele descobriu que esse valor é o exato.

    ResponderExcluir